Dica de Livro: O Sinal e O Ruído, de Nate Silver

Este é um livro delicioso para quem está buscando entender melhor o universo dos dados e suas possibilidades de previsões e projeções. E é delicioso não só pela escrita fluida e cheia de exemplos de Nate Silver, autor do livro, mas, principalmente, por tirar a aura de magia que parece encobrir os resultados que os algoritmos são capazes de prever hoje em dia. O principal aprendizado do livro é sobre como as modelagens estatísticas e a alta tecnologia de processamento de dados não são capazes de acabar com a incerteza das diversas situações do mundo, e que o papel do agente humano, de nós como decisores, é fundamental. O autor mostra porque tantas previsões falham e há, pelo menos, três motivos.

Pra começar, o título do livro se refere ao entendimento que em qualquer contexto há informações relevantes (o sinal) e outras irrelevantes (o ruído), e que o passo primordial de quem está fazendo a análise é ser capaz de separar um do outro. Isso pode parecer simples, mas não é. E é ótimo ver os exemplos que Nate traz de sua experiência em setores tão diferentes como prever resultados de jogos de basebol, eleições presidenciais, terremotos e partidas de pôquer.

Nate Silver é um estatístico que trabalhou por muito tempo em empresas de consultoria e que há alguns anos lidera o blog FiveThirtyEitght, hoje ligado ao New York Times. O autor se tornou muito famoso na década passada quando conseguiu acertar o resultado das eleições presidenciais nos 50 estados americanos. O nome do blog, inclusive, é uma referência à quantidade de delegados que elegem quem ocupará a presidência dos Estados Unidos. Como o processo eleitoral americano é complicado, com voto facultativo e antecipado, além da eleição de delegados, as pesquisas de opinião de votos são muito voláteis e pouco efetivas em indicar o vencedor. Nate criou um modelo que tem oferecido bons resultados para isso, e para várias outras questões.

Em parte, seu modelo tem sido efetivo por focar bem nos sinais, e por ser honesto sobre a sua ignorância. Como Nate diz “o hiato entre aquilo que sabemos e aquilo que pensamos saber está aumentando”. Como há muita informação disponível, há uma tendência a se achar a) que sabemos o suficiente sobre questões sobre as quais, na verdade, temos conhecimento superficial; b) achamos que sabemos tudo que há para saber. Ser sincero sobre o conhecimento que não se tem, é fundamental para se criar um modelo preditivo efetivo.

Depois de entender a importância de limpar os dados (separar o sinal do ruído), uma grande lição que o livro traz é que o analista precisa ser honesto sobre a margem de erro de sua previsão. Nas palavras do autor, previsões são sempre probabilísticas. Vou dar um exemplo para tornar essa recomendação mais fácil de entender: ao invés de dizer, por exemplo, que haverá um aumento de 20% nas vendas, é preciso dizer que “há 95% de chance de que as vendas aumentem em 20%”.

Pode parecer um detalhe técnico que só importa a estatísticos, mas apresentar previsões como probabilidades e não como certezas é algo bastante importante para gerenciar expectativas, possibilitar planos alternativos e criar rotinas de acompanhamento. O ser humano sempre procurou algo que tirasse a incerteza do futuro e, nos úttimos anos, os algoritmos e a inteligência artificial pareceram oferecer isso. Nate Silver nos lembra de que não: toda e qualquer previsão do futuro com base em dados do passado terá uma chance de estar errada, e é dever do analista deixar isso claro. Previsão não é magia, algortimos não são oráculos. 

No livro, Nate Silver exemplifica em muitos casos diferentes como os pontos acima são realmente importantes. Me chamou especialmente atenção o capítulo 7, em que ele traz exemplos de algumas pandemias que foram previstas no passado recente, mas não se concretizaram (ainda bem). O autor deixa muito claro sobre como o papel de decidir permanece bastante complexo, que não se deve acreditar cegamente em resultados gerados por computadores, por mais avançados que eles sejam, que o protagonismo do ser humano não é perdido com a chegada dos algortimos, e que não é possível anular as incertezas na vida.

Enfim, é uma leitura longa, gostosa e instrutiva. Muito recomendada para quem teme o mundo dos dados: lendo este livro, você vai perceber como não se trata de um mundo perfeito e infalível, mas sim de um ambiente com muito espaço para que mais pessoas entrem e o ajude a torna-se melhor.

LIVRO – O Sinal e o Ruído: por que tantas previsões falham
AUTOR – Nate Silver
PÁGINAS – 709
ONDE COMPRAR – O sinal e o ruído